Verrugas: maleabilidade dos sentires

No nosso cotidiano, é habitual criarmos performances para estar de acordo com aquilo que se acredita ser a expectativa do externo ou a exigência da situação. Podemos “atuar” uma infinidade de vezes ao longo do dia sem que isso signifique alguma perda para o nosso estado de espírito. Mas, aos olhos da Leitura Corporal, quando acreditamos que temos que manter por um tempo maior que o suportável um determinado perfil – de alegria, de tristeza, de dor, de felicidade, de esperança, de estabilidade, de prazer, etc. – estamos provocando mortes de humor.

O que são as mortes do humor? Elas se originam do compromisso em representar estados “encomendados”, seja por outros ou por nós mesmos, já que costumamos valorizar aquelas performances que garantem o aval do social. Mas quando é grande o esforço para cumprir com um estado de ânimo mais protocolar que vivenciado, está-se enfraquecendo os pilares de sustentação do humor genuíno.

Temos no corpo uma estrutura dedicada ao processamento dos sentimentos transitórios, que é a maçã do rosto. Por lá, circula uma qualidade de energia que tem como função estimular a manifestação das oscilações e variações do espírito. Podemos estar felizes com uma coisa e tristes com outra, uma coisa que faz bem pode ser um veneno momentâneo e o que usualmente envenena pode ser a salvação de hoje.

Essa variedade de sentires é natural e coabita nosso corpo e nosso psiquismo sem maiores problemas. É a exigência de manutenção de um estado contínuo de ânimo o que causa turbulências, quando ele contradiz as vibrações que estão pulsantes.

São muitas as “caras de paisagem” e os “sorrisos amarelos” praticados por dia, e isso faz parte. Mas há um limite saudável de tolerância, que sabemos ter ultrapassado quando surgem os nossos aliados de sempre: os sintomas. Dentre eles, as verrugas, que servem ao armazenamento externo de qualquer coisa que pulsa e que não encontra representatividade na forma, na intensidade com que gostaríamos de viver. Lá guardadas em forma de verrugas, essas pulsões se fazem manifestas, ajudando-nos a encontrar-lhes uma representação livre.

Junto com as verrugas, muitas outras manifestações trabalham para nos garantir o direito à maleabilidade das emoções e dos sentimentos: as pintas pretas, a cândida http://www.leituracorporal.com.br/candidiase-legitimacao-da-experiencia-do-prazer/, as manifestações na pele do rosto e de vias respiratórias altas (as rinites saiba mais!, as sinusites, as alergias respiratórias clique aqui para saber mais!).  É uma coleção de sintomas que nos protege da desconexão com os estados afetivos autênticos, mantendo assim vivo o nosso verdadeiro humor.