Surdez: um caminho para a expressão

As orelhas, coordenadas pelos 1o e 5o Centros de Força, são órgãos relacionados ao equilíbrio e à audição. Dentre outras funções, as orelhas organizam os processos de captação, tradução e entendimento dos sinais sonoros vindos do interno e do externo.

Para a Leitura Corporal, os distúrbios da audição nascem da experiência repetitiva de ouvir e não entender, ouvir e não assimilar e, sobretudo, ouvir e não expressar. Na grande maioria dos casos, a perda auditiva só acontece quando o Indivíduo não encontra nenhum espaço, por menor que seja, para a expressão das sensações, das incompreensões e dos incômodos suscitados por aquilo que foi ouvido, nas linhas e nas entrelinhas, vindo de dentro ou vindo de fora.

Tudo o que é ouvido e não processado se transforma em experienciação do sentimento de vazio. Para qualquer tipo de surdez, a Leitura Corporal indica o desenvolvimento e o aprimoramento da capacidade expressiva, em qualquer de suas formas. Através da escuta e da exteriorização de si, o Indivíduo pode se reconhecer, facilitando a descoberta das vias para o processamento, para o entendimento e para o preenchimento de si através dos mais diferentes sons.