Pelo encravado? Hora de sair do ensaio e agir!

Os pelos, na visão da Leitura Corporal, são as antenas do corpo especializadas em captar e emitir estímulos que estão entre o sensório e o concreto – são claros, podem ser observados e compreendidos, mas estão nas entrelinhas. Quando é preciso que o indivíduo transforme essas percepções em ações tangíveis, os pelos podem encravar, estimulando a troca de conhecimentos necessária para evoluir as formas de utilização do potencial da área acometida.

A foliculite indica que o indivíduo, embora sinta e entenda que sejam necessárias revisões de comportamentos e posturas, ainda não se convenceu o suficiente de que a maneira como vem atuando está equivocada. Ele percebe que transformar a si pode facilitar e aprimorar suas relações de convivência, mas ainda não tem certeza de que são dele as necessidades de mudança. Ele se demonstra disposto a mudar, mas não está considerando suficientemente que aquele movimento que ensaia fazer pode realmente mudar a sua história.

Então os pelos encravam para mobilizar as funções da região onde se manifestam, intensificar o movimento de impulsos na área, despertando no indivíduo o sentido da complementariedade, isto é, a disposição para estar junto, ao lado de, trocando e somando aos outros. É uma manifestação que motiva a descobertas de razões reais para aproveitar as entrelinhas e recompor as próprias condutas, instalando, a partir da transformação de si, outras formas de relacionar, conviver e verdadeiramente trocar conhecimentos.

A área onde os pelos encravam dá dicas sobre os potenciais que estão sendo trabalhados e sobre os temas em relação aos quais se está vivendo a dificuldade em dar vazão ao desejo, reconhecido, de reformular condutas, conceitos e significados. Mas sabendo ou não a função da área, junto com a foliculite sempre vem a consciência do que precisa ser modificado. Então se o pelo encravou, escute seu corpo, vá e faça a mudança!