Merecimento: creditar-se os próprios feitos

Para a Leitura Corporal, o merecimento é uma habilidade que se desenvolve junto com a compreensão de que se é o ponto de origem e de retorno de tudo aquilo que é experienciado. A vida, que promove experimentos atrás de experimentos para que cada indivíduo se perceba, se conheça e evolua, devolve os frutos adequados àquilo que foi semeado. Assim, tudo o que é recebido tem seu sentido, seu valor e é do próprio merecimento. Sabendo atribuir-se os créditos dos seus feitos e efeitos, o indivíduo se abre para qualificar suas formas de atuar, aprimorando assim os produtos que resultam da sua atuação.

Não é por acaso que as áreas do corpo associadas ao merecimento são regiões também vinculadas à habilidade da aceitação de si (clavícula esquerda) e da aceitação do que vem do externo (clavícula direita). Para se sentir no direito de merecer, é preciso creditar valor ao que se sente, ao que se quer e intenciona. O terço distal da face posterior da coxa, que é o Centro do Merecimento, vibra justamente a liberdade para fazer os movimentos que se deseja e que são veementes em cada tempo de vida.

Mas o merecimento precisa também da aceitação do que chega, enquanto um produto legítimo da própria atuação. Essa compreensão traz a convicção de que se é merecedor de tudo. E que tudo que a vida traz são presentes, na forma de oportunidades para a revisão, para a transformação e para a expansão das próprias crenças e do próprio comportamento.