Endometriose: nutrir o próprio feminino

O yin e o yang são princípios do psiquismo que dão base e sustentação aos fenômenos físicos. O yang – a força produtiva, que projeta o indivíduo para a vida social – encontra seu complemento na energia yin – a força receptiva, que estimula em cada um a aproximação de si e a intimidade consigo.

O yin, feminino, e o yang, masculino, são forças que se somam e que coexistem em todos os indivíduos. Quando a atuação de uma dessas forças se faz em detrimento da atividade da outra, o corpo pode buscar o equilíbrio através dos seus recursos de cura comportamental: os sintomas, com seus estímulos para a renovação de valores e significados.

Aos olhos da Leitura Corporal, esse é o tema de base da endometriose: a substituição de movimentos yin pela atividade yang. Isso quer dizer que houve a escolha por diminuir os espaços femininos de dedicação a si para desenvolver a atividade masculina, voltada para o externo e para a realização no mundo social.

A endometriose não estabelece que a mulher esteja empreendendo grandes atividades, nem especifica que ela esteja totalmente ocupada com as atividades yang da vida. O que esse sintoma sinaliza é que predomina, em qualquer que seja a atividade, uma atuação orientada pelo conceito de produtividade. Assim, tanto uma mulher empresária quanto uma mulher dedicada ao mundo doméstico podem desenvolver endometriose, se sua energia está direciona para a criação de bons produtos, para o comprimento de expectativas sociais, em suma, para o outro.

Por detrás de toda endometriose há um grande desejo de nutrir o próprio feminino. E na presença dessa manifestação no corpo, pode-se saber que o momento é fértil e propício para a apropriação da liberdade de ter e de bancar projetos cujo único objetivo é realizar-se, enquanto indivíduo e enquanto mulher.